A biblioteca como mediadora nas questões sociais: o tráfico de mulheres no Mato Grosso do Sul. No que podemos colaborar?

Lilian Aguilar Teixeira, Gleibson José da Silva, Rogério Ferreira Marques

Resumo


A biblioteca deve propiciar sua expansão, buscando realizar o seu papel social, diante da globalização, algumas situações mundiais ficaram mais evidentes, um exemplo é o crime de tráfico de pessoas que submete os seres humanos a diversas formas de exploração, onde suas principais vítimas são mulheres e foi constatado que o Mato Grosso do Sul é o estado em terceiro lugar no Brasil em número de tráfico interno para fins de exploração sexual. A biblioteca pode colaborar sendo o meio de divulgação e local de aperfeiçoamento para a sociedade, buscando realizar atividades em conjunto com órgãos governamentais e com o Programa Escola de Conselhos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, um projeto de extensão universitária desenvolvido pela UFMS que realiza formações continuadas na área de direitos humanos. Desse modo, busca-se a construção de uma sociedade com mais acesso a informação sobre a temática, rompendo com o modelo convencional da biblioteca fornecedora de informações físicas e buscando contribuir com um dos objetivos da Agenda 2030 de desenvolvimento sustentável, que é eliminar todas as formas de violência contra todas as mulheres e meninas nas esferas públicas e privadas, incluindo o tráfico e exploração sexual e de outros tipos.

 


Palavras-chave


Biblioteconomia Social; Tráfico de Pessoas; Mulheres

Texto completo:

PDF




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

____________________________________________ 

Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação. São Paulo.  ISSN: 1980-6949
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados a Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições. Contato: rbbd@febab.org.br