Perspectivas de atuação das bibliotecas prisionais e as contribuições para a Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas

Jonathas Luiz Carvalho Silva

Resumo


Trata da atuação das bibliotecas na Agenda 2030 com ênfase na atuação das bibliotecas prisionais. Apresenta como ponto de partida a seguinte pergunta: como a biblioteca prisional pode contribuir para os múltiplos desenvolvimentos da comunidade carcerária alinhada aos pressupostos da agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU)? E define como objetivo abordar as perspectivas de contribuição da biblioteca para a Agenda 2030 com ênfase nas bibliotecas prisionais e seus múltiplos processos potenciais de ressocialização atuação junto à comunidade carcerária. Conclui com a relação as bibliotecas no cumprimento da Agenda 2030 que o grande legado de uma biblioteca não é pertencente as ações que empreendem em si, mas aos impactos/interferências que essas ações provocam na comunidade/usuário, assim como as bibliotecas prisionais possuem múltiplas perspectivas de atuação no âmbito da ressocialização de presos por meio de práticas pautadas em categorias como formação de leitores/alfabetização/letramento informacional, dinamização do acervo, trabalho/profissão/emprego, entretenimento e lazer e relações humanas e sustentadas por aplicações norteadoras e pragmáticas.


Palavras-chave


Bibliotecas – bibliotecas prisionais. Agenda 2030 – Organização das Nações Unidas. Biblioteconomia. Comunidade carcerária.

Texto completo:

PDF




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

____________________________________________ 

Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação. São Paulo.  ISSN: 1980-6949
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados a Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições. Contato: rbbd@febab.org.br