O conhecimento que tem origem no verde: o movimento Green Library e a Agenda 2030

Cleide Elis da Cruz Raulino, Roberta Barros Meira

Resumo


Este artigo apresenta uma discussão sobre o movimento green library ou movimento das bibliotecas verdes, que são bibliotecas projetadas para minimizar o impacto negativo no meio ambiente. Ele centra a sua análise sobre a Agenda 2030 e como as bibliotecas públicas e o green library podem auxiliar a implementar as metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. A realização da pesquisa se dará situando o objeto no recorte temporal a partir do ano de 2015, quando o movimento green library ganha destaque no Brasil. Procura apontar também os fatos que, mais impactaram e contribuíram para o estreitamento da pauta ambiental e as políticas da ONU envolvendo o conceito de sustentabilidade – resultando no fortalecimento das bibliotecas verdes e as bibliotecas parque. Para tanto, serão utilizadas fontes primárias, produzidas pela ONU, IFLA, FEBAB e MMA. Finalmente, vamos refletir de que maneira essas bibliotecas verdes podem se fortalecer e inspirar a sociedade a cooperar no desenvolvimento sustentável e na conservação do patrimônio natural.


Palavras-chave


Patrimônio natural; Agenda 2030; bibliotecas verdes

Texto completo:

PDF




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

____________________________________________ 

Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação. São Paulo.  ISSN: 1980-6949
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. © 2002 / Todos os direitos reservados a Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições. Contato: rbbd@febab.org.br